quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Vereador Manoel Frade e correligionários recepcionam deputado Jacó Jácome nesta sexta-feira (21)

O vereador Manoel Frade, recebe em sua residência nesta sexta-feira dia 21 de setembro, na visita do deputado estadual e candidato a reeleição Jacó Jácome. Na oportunidade estará sendo realizada uma reunião de apoio à candidatura de Jacó Jácome e contará com as presenças de representantes de associações e lideranças jovens do município de Lagoa  Nova.

A reunião está prevista para às 19h00

DEPARTAMENTO DE MOCIDADE DA IGREJA ASSEMBLEIA DE DEUS EM LAGOA NOVA PROMOVE CONGRESSO DE MOCIDADE

Congresso de mocidade promovido pelo Departamento de Jovens da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Lagoa  Nova tem início nesta quinta-feira(20). Confira a programação.


TEMA: MENTALIDADE RENOVADA
DE 20 A 23 DE SETEMBRO
QUATROS DIAS DE MUITO LOUVOR E ADORAÇÃO A CRISTO!
 
PRELETORES
 
Dia 20  - RENIELTON FERNANDES
DIA 21 – WESLEY MAIA
DIA 22  - ELIABE CESAR
DIA 23 – LUIZ DE PARELHAS
 
NO LOUVOR 
 
LUCIANO FONSECA, SOCORRO SILVA, E GRUPO NEO CÂNTICO
 

PARTICIPEM
CONTAMOS COM A PRESENÇA DE TODOS


Centro Municipal de Reabilitação Mauro Augusto da Cruz promoveu Caminhada da Inclusão


O Centro Municipal de Reabilitação Mauro Augusto da Cruz juntamente com as escolas municipais (), realizaram na manhã desta quinta-feira (20), a Caminhada da Inclusão, ato dentro das comemorações do setembro verde, mês que oficial dedicado à inclusão social de pessoas com deficiência. A caminhada teve duas paradas, uma em frente à sede do poder legislativo, onde estavam presentes os vereadores Val Araújo, Dequinha Primo,  Lourival Adão e funcionários da casa, logo seguida se dirigiram para o palácio Serrano, sede do poder executivo do município de Lagoa Nova. Onde na oportunidade houve um momento especial com depoimentos de mães de clientes do Centro Municipal de Reabilitação Mauro Augusto da Cruz.

Peço aos vereadores de Lagoa Nova que elaborem leis as quais priorizem o atendimento dos nossos filhos nas unidades de saúde do nosso município, que busquem alternativas de fazer tipo uma carteira de identificação, porque  muita das vezes somos discriminados. Ao Sr prefeito que veja com bons olhos a importância do Centro de reabilitação que no momento está sem psicóloga, porque não só o meu filho, mais  as demais mães que são atendidas pela entidade  precisam do serviço desta profissional tão importante no dia a dia de todas.  foi o relato de Vitória Cruz, mãe de criança com deficiência e cliente do Centro Municipal de Reabilitação Mauro Augusto da Cruz.




Participaram  as seguintes instituições;

*Centro Mun. De Educ. Infantil Evilásio Luiz Victor.

*Esc. Mun. Dom José Delgado.

* Unidade Mun. De educ. Infantil Maria de Lourdes de Medeiros.

* Esc. Mun. João XXIII

* Esc. Mun. Cicero Romão de Souza.

* Esc. Mun. Francisco Jerônimo de Medeiros

* Esc. Mun. Mons. Paulo Herôncio

* Cras

* Prefeitura de Lagoa Nova

* Câmara Municipal de vereadores







Delegacias e hospitais sem comunicação

Repartições públicas no Estado enfrentam dificuldade para conseguir comunicação. Relatos de servidores públicos apontam que as linhas telefônicas de delegacias, do Instituto Técnico-científico do RN (Itep) e de unidades de saúde têm sofrido cortes nos últimos meses. A reportagem da Tribuna do Norte perguntou às Assessorias de Comunicação da Secretaria Estadual de Segurança Pública e Saúde o motivo da ausência de linhas, mas, até o fechamento desta edição, nenhuma resposta foi enviada.

Consideradas ferramentas básicas para realização de ações de investigação e procedimentos investigativos, telefones e internet de diversas delegacias do Rio Grande do Norte estão cortados ou funcionam de maneira precária. De acordo com o relato de agentes e delegados, a situação é descrita como “caótica e de descaso”. Diante da situação, os servidores usam “gambiarras” para conseguir reduzir os danos da falta dos instrumentos: tiram dinheiro do próprio bolso para fazer ligações e usam a própria internet. De acordo com informações extraoficiais, o problema seria falta de pagamento por parte do Estado aos operadores dos serviços.

Cordel vira Patrimônio Imaterial

Uma das expressões mais fortes da cultura brasileira, a Literatura de Cordel foi transformada em Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil. A decisão foi tomada na tarde de quarta-feira (19), em reunião do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural – órgão colegiado de decisão máxima do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O registro foi aprovado por unanimidade. A reunião do Conselho aconteceu no Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro, e contou com a presença do Ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, da presidente do Iphan, Kátia Bogéa e do presidente da Academia Brasileira de Literatura de Cordel, Gonçalo Ferreira.
Cordelista e um dos fundadores da Casa do Cordel, mestre Abaeté diz que reconhecimento é tardio, mas poderá levar o cordel a ser estudado com mais seriedade

Manifestação cultural que extrapola os versos e rimas escritas, abrangendo cantoria e ilustração, o cordel é veículo de comunicação e meio de sobrevivência para poetas, declamadores, xilogravadores e folheteiros (como são conhecidos os vendedores de livros). É nesse contexto que a poeta e presidente da Academia Norte-Riograndense de Literatura de Cordel, Tonha Mota, avalia como uma vitória o reconhecimento dado pelo Iphan.

“É uma conquista de todos que fazem cordel. Isso mostra que nossa resistência, nosso esforço em manter viva essa expressão não foi em vão”, diz a poeta, que também é uma das fundadoras da Estação Cordel (Cidade Alta). “Quem faz cordel sabe das dificuldades que se tem para divulgar o trabalho”.
Cordelista e fundador da Casa do Cordel (Cidade Alta), Abaeté comemora a decisão do Iphan, mas sem muito entusiasmo. Ele prefere ver como as coisas vão se desenrolar daqui pra frente. “É um reconhecimento tardio, mas não deixa de ser importante. Desejo que daqui pra frente se coloque o cordel em um lugar de destaque”, comenta o poeta.

Tonha Mota e Abaeté acreditam que com a salvaguarda do Iphan, a Literatura de Cordel passe a ser vista sem preconceito e, nesse sentido, ganhe políticas públicas de valorização da produção. “Espero que o Cordel entre com mais peso na pauta do Ministério da Cultura e que as universidades se abram mais para esse tipo de literatura, tratando com seriedade”, conta Tonha.

Abaeté complementa a crítica ao meio acadêmico. “Nas escolas de Natal já temos bastante penetração. O cordel faz parte do material de algumas disciplinas. Nossa barreira é nas universidades. Alguns acadêmicos mostram resistência à gêneros populares, fazendo uma divisão entre erudito e popular. Talvez, pelo cordel envolver analfabetos, fosse uma literatura menor”, reflete o poeta. Para ele, tão importante quanto preservar o cordel, é promover ações que viabilizem maior comercialização das publicações. “Valorizar é o que a gente faz todo dia com a Casa do Cordel. O que eu gostaria do Governo era que ele comprasse mais cordéis como se faz com os livros”.
O Cordel
Originário do Norte e Nordeste do país, o cordel hoje é disseminado por todo o Brasil, principalmente nos estados da Paraíba, Pernambuco, Ceará, Maranhão, Pará, Rio Grande do Norte, Alagoas, Sergipe, Bahia, Minas Gerais, Distrito Federal, Rio de Janeiro e São Paulo. Segundo texto do Iphan, é uma expressão cultural que abrange não apenas as letras, mas também a música e a ilustração. “É um gênero literário, veículo de comunicação, ofício e meio de sobrevivência para inúmeros cidadãos brasileiros.
Poetas, declamadores, editores, ilustradores (desenhistas, artistas plásticos, xilogravadores) e folheteiros (como são conhecidos os vendedores de livros)”, diz pesquisa do órgão, que ainda aponta o cordel como manifestação importante por revelar o imaginário coletivo, a memória social e o ponto de vista dos poetas sobre acontecimentos vividos ou imaginados.

Acervo de Bispo do Rosário é tombado
O Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural também decidiu por unanimidade tornar o acervo do artista sergipano Arthur Bispo do Rosário Patrimônio Cultural Material do Brasil. O acervo é composto de 805 peças, dentre estandartes, indumentárias, vitrines, fichários, móveis, objetos (recobertos com fio azul ou não) e vagões de espera.
Bispo do Rosário (1909-1989) ganhou destaque no mundo da arte contemporânea sem querer. Diagnosticado como portador de esquizofrenia-paranoide, ele produzia suas obras sem interesses culturais, apenas seguindo as vozes que o ordenavam a reconstruir o mundo a sua volta – o que suscitou debates sobre os limites entre a arte e a loucura.
Novos tombamentos
Nesta quinta-feira (20), o Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural se reúne novamente para avaliar novos pedidos de tombamento imaterial. São eles, a Procissão do Senhor dos Passos, de Florianópolis (SC), o Sistema Agrícola Tradicional das Comunidades Quilombolas do Vale do Ribeira (SP), os terreiros de candomblé Ilê Obá Ogunté Sítio Pai Adão, em Recife (PE), e a Tumba Junsara, em Salvador (BA).
(*) Com informações da Agência Brasil

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Tribunal de Contas adota ferramenta para monitorar planos de educação no Estado e municípios do RN

O Tribunal de Contas do Estado (TCE/RN) aderiu a uma iniciativa da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas (Atricon) e do Instituto Rui Barbosa (IRB), em parceria com o Ministério da Educação, que pretende mudar o perfil do ensino público a partir do monitoramento dos Planos de Educação dos estados e municípios.
Resultado de imagem para software TC Educa
O software TC Educa é uma ferramenta que permite verificar se as ações previstas nos planos de educação estão sendo atendidas pelos entes jurisdicionados, em termos percentuais, dentro dos prazos definidos na legislação. O sistema gera relatórios automáticos, os quais poderão ser encaminhados por e-mail ao Administrador responsável pela gestão, assim como aos Poderes Legislativos, podendo ser cadastradas outras entidades para o seu recebimento, como o Ministério Público, os Conselhos de Educação e do Fundeb, as organizações da sociedade civil e demais instâncias de monitoramento e controle.

A princípio, estão sendo vistas as metas que dizem respeito à universalização do acesso a pré-escola e também o atendimento no ensino médio, dados que estão sendo consolidados para, a partir de março de 2019, começarem a ser emitidas recomendações e alertas aos gestores, na busca do cumprimento das diretrizes.

Este ano o trabalho está centrado na coleta e cruzamento de dados de fontes como o Ministério da Educação, Indicadores do Índice de Efetividade da Gestão Municipal (IEGM) e do IBGE, além de análise das Leis Orçamentárias, observando o percentual de investimento previsto para a educação. “Vamos fazer projeções no sentido de garantir o cumprimento das metas que foram planejadas, acompanhando a execução dos planos de educação, debatendo e propondo medidas buscando qualificar o gasto nesta área”, enfatizou o diretor de Assuntos Municipais do TCE/RN, Aleson Amaral de Araújo Silva. Todos os municípios e o próprio Governo do Estado serão avaliados.

De início, foram priorizadas as metas 1 e 3 dos planos de educação. A primeira determinava a universalização do acesso de crianças de 4 a 5 anos à educação infantil até 2016 e prevê o atendimento de 50% das crianças de zero a 3 anos em creches até 2024. A meta 3 estabeleceu que até 2016 deveria se dar a universalização do acesso à escola de jovens de 15 a 17 anos, determinando que 85% deles estejam matriculados no ensino médio até 2024.

O trabalho envolve, entre outras iniciativas, a realização de diagnósticos, a aplicação de questionário-modelo para conhecimento do conteúdo dos planos de educação, o incentivo à compatibilização entre as peças orçamentárias e as metas e estratégias previstas e o desenvolvimento de uma ferramenta de monitoramento e de expedição de alertas. Esse sistema, denominado TC educa, foi concebido em parceria com os Tribunais de Contas do Mato Grosso do Sul e de Minas Gerais, com o apoio do TCE-RS. O software poderá ser utilizado pelos Tribunais de Contas na atividade de fiscalização, além de oferecer subsídios aos agentes públicos visando à melhoria da política educacional.

A partir dos resultados extraídos do TC educa, os Tribunais de Contas poderão disparar alertas aos Municípios ou Estados que estiverem descumprindo alguma meta do plano de educação ou que apresentem média anual de avanço insuficiente ao seu atendimento no prazo estipulado. A omissão quanto à adoção de medidas corretivas pela administração pode repercutir no julgamento das contas do gestor nos órgãos de controle externo.